Brincar e intervir à distância: Uma missão (quase) impossível

Autores

  • Teresa Silva Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti
  • Ana Pinheiro Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti

DOI:

https://doi.org/10.34630/sensose.v8i1.3791

Palavras-chave:

Educação de Infância, Brincar, Intervenção a distância, Tecnologia, Interação

Resumo

O estudo reflete sobre um conjunto de interações e intervenções desenvolvidas presencialmente e à distância antes e durante o período de recolhimento social no âmbito da pandemia Covid-19. Partindo de dimensões teóricas, abordamos nesta investigação os desafios na dinamização de atividades com um grupo de crianças entre os 2 e os 5 anos. Refletimos teoricamente sobre o brincar, os espaços e ambientes de aprendizagem, os materiais e o papel do adulto. Em termos metodológicos, optamos por numa estrutura mista (quantitativa e qualitativa) com o objetivo de recolher um maior número de dados, cruzando perspetivas diferenciadas numa realidade concreta: crianças, educadora de infância e pais.

Integrado num estudo mais vasto, este artigo apresenta como considerações finais três grandes ideias-chave orientadoras da intervenção em educação de infância nestes novos tempos de grandes desafios.

Downloads

Publicado

2021-05:-16

Como Citar

Silva, T., & Pinheiro, A. . (2021). Brincar e intervir à distância: Uma missão (quase) impossível. Sensos-E, 8(1), 43–54. https://doi.org/10.34630/sensose.v8i1.3791