WORK IN PROGRESS: REPRESENTAR O "OUTRO" SEGUNDO O PENSAMENTO ANTROPOFÁGICO

CASOS DE ESTUDO - «HANS STADEN» E «LES MAÎTRES FOUS»

Autores

  • Carina Cerqueira

DOI:

https://doi.org/10.34630/polissema.v0i12.3068

Palavras-chave:

pensamento antropófago, representação, interculturalidade, alteridade, «Hans Staden», «Les Maîtres Fous»

Resumo

O presente artigo analisa o filme de Luis Alberto Pereira «Hans Staden» (1999), baseado no livro de Hans Staden «Duas Viagens ao Brasil» (1557), e o documentário/filme «Les Maîtres Fous» (1955) de Jean Rouch, tendo em consideração o pensamento antropofágico. Estas obras focalizam o choque cultural entre “civilizado” e “selvagem”, entre ritual canibal e ritual antropofágico, entre o «Nós» e os «Outros», encontros que permitem uma análise mais concreta à concepção de alteridade. A representação cinematográfica permite uma aproximação ao conceito antropofágico de apropriação da cultura externa, para posteriormente a reproduzir numa interpretação segundo a concepção ocidental do que figuram os rituais em questão. O Movimento Antropófago, pelo seu carácter vanguardista, concilia a matriz fundadora brasileira e ao mesmo tempo enaltece a irreverência de análise, e neste artigo serve de fundamento teórico e prático à decomposição dos exemplos. O pensamento antropófago e a sua aplicabilidade aos exemplos seleccionados permitem também aprofundar o estudo sobre o imaginário europeu enquanto recriação de relatos datados de viajantes ou colonizadores, pois a manutenção de um acervo estereotipado historicamente serve como forma de “legitimar” concepções. As duas obras focalizam a representação indígena e africana - o “selvagem” - na construção do imaginário ocidental - “civilizado” - dicotomia que nos permite desmistificar relações interculturais.

Downloads

Publicado

2019-05:-03

Como Citar

Cerqueira, C. (2019). WORK IN PROGRESS: REPRESENTAR O "OUTRO" SEGUNDO O PENSAMENTO ANTROPOFÁGICO: CASOS DE ESTUDO - «HANS STADEN» E «LES MAÎTRES FOUS». POLISSEMA – Revista De Letras Do ISCAP, (12), 57–74. https://doi.org/10.34630/polissema.v0i12.3068

Edição

Secção

Artigos