Política e Planejamento Linguístico da Língua Guarani no Paraguai e Formação Docente

Autores

  • Juliano Sippel Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.34630/erei.v3i9.4222

Palavras-chave:

Política linguística, Planejamento linguístico, Língua guarani, Formação docente

Resumo

A promulgação da Constituição da República do Paraguai, em 1992, deu ao idioma guarani o status de língua nacional. Passadas quase duas décadas, a Ley nº 4251 de Lenguas criou uma Secretaria para política e planejamento de língua e a Academia de la Lengua Guaraní. Considera-se hoje que mais de 80% da população paraguaia é bilíngue e utiliza as línguas guarani e espanhola como instrumento de mediação nas trocas comunicativas. Nesse artigo investigo a formação para a atuação docente em língua guarani de estudantes universitários da cidade de Assunção. Procuro observar os efeitos de um planejamento de status, de corpus e de aquisição na formação básica e superior desses estudantes. Os resultados revelam eficácia desses planejamentos na formação básica dos acadêmicos participantes da investigação, mas sugerem a necessidade de um planejamento de aquisição e de corpus da língua guarani em nível superior/acadêmico.

Biografia Autor

Juliano Sippel, Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa

Doutorando em Linguística e ensino de língua, pela Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Estudos de
Linguagens, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Licenciado em Letras, pela Universidade
Federal do Paraná.

Downloads

Publicado

2021-07:-22

Como Citar

Sippel, J. . (2021). Política e Planejamento Linguístico da Língua Guarani no Paraguai e Formação Docente . E- Revista De Estudos Interculturais, (9, Vol. 3). https://doi.org/10.34630/erei.v3i9.4222

Edição

Secção

Estudos Interculturais no Contexto Contemporâneo