Políticas de Aquisição de Competências : Recrutar ou Formar?

  • Ana Costa Laranjeiro
  • Fátima Suleman

Abstract

Esta pesquisa visa analisar as políticas de recursos humanos direcionadas para a aquisição de competências por parte de uma amostra de empresas em Portugal. A empresas podem optar por recrutar e/ou formar trabalhadores com competências de que necessitam. Torna-se assim relevante identificar tendências predominantes. A amostra é constituída por dez empresas que operam em diferentes setores de atividade e com diferentes dimensões. Os resultados empíricos, recolhidos a partir de uma entrevista ao responsável pela gestão de recursos humanos, apontam para dificuldades de recrutamento mesmo num contexto de grande oferta de graduados. Essa dificuldade está associada a certas áreas de formação, mas igualmente a certo tipo de competências. Todos os entrevistados considerarem que os recém-licenciados não estão preparados para o mundo do trabalho. Se por um lado, apresentam com boas competências académicas, por outro lado, revelam lacunas a nível das competências comportamentais (soft skills). A título de exemplo, as empresas indicam défices em termos de características pessoais, como a maturidade, ausência de uma visão do mundo e atitude de trabalho; capacidades de comunicação, resiliência, responsabilidade, apetências comerciais e flexibilidade. As empresas procuram colmatar esses défices de diferentes formas, designadamente através de processos complexos de recrutamento interno e/ou externo, formação interna, academias próprias, parcerias ou protocolos com as universidades. Os resultados obtidos indicam ainda que as empresas da amostra distinguem-se em compradoras e formadoras. As primeiras procuram candidatos prontos-a-usar, ou seja evitam investir na preparação do recém-recrutado, enquanto as formadoras equacionam a integração e desenvolvimento de forma a garantir uma carreira na empresa. Finalmente, há ainda as empresas que recrutam e/ou formam consoante o tipo de competências necessárias. A evidência empírica relativa aos défices de competências pode ser benéfica para os decisores políticos equacionarem o desenho da formação graduada e ainda sobre formas de aproximação entre o ensino superior e as empresas. Resumo submetido à VI Conferência em Investigação e Intervenção em Recursos Humanos 1. Estratégias de desenvolvimento e práticas de Gestão de Recursos Humanos ESCE/IPS - Setúbal |17 e 18 de fevereiro de 2016

Published
2016-01:-26