Revista Multimédia de Investigação em Inovação Pedagógica e Práticas de e-Learning http://parc.ipp.pt/index.php/elearning <p><span class="normaltextrun">A Revista “</span><strong>Pratica e-Learning</strong><span class="normaltextrun">” é uma publicação do </span>Consórcio lusófono e Ibero-americano de Instituições de Ensino Superior.<span class="eop">&nbsp;</span><br><span class="normaltextrun">É uma revista Multimédia de Investigação em Inovação Pedagógica e centrada nas boas práticasdo e/b-</span><span class="spellingerror">Learning</span><span class="normaltextrun"> no ensino superior</span>, em formato eletrónico e online. Publica trabalhos de investigação e ou inovação / desenvolvimento / intervenção no âmbito do e/b-<span class="spellingerror">Learning</span><span class="normaltextrun">, em sentido amplo</span> e em áreas e âmbitos diversificados em <span class="normaltextrun">contextos de ensino (formal, não-formal e informal)</span>.<span class="eop">&nbsp;</span><br><span class="normaltextrun">Pretende-se com esta revista divulgar práticas pedagógicas inovadoras e promover o e</span>/b-<span class="spellingerror">learning</span><span class="normaltextrun">através da disseminação de experiências </span>bem sucedidas.<span class="eop">&nbsp;</span><br><span class="normaltextrun">É uma revista multimédia com revisão por pares, que aceita contribuições científicas em formato texto, vídeo e áudi</span>o."</p> pt-PT asilva@ese.ipp.pt (Armando Silva) linooliveira@esmad.ipp.pt (Lino Oliveira) Ter, 19 Dez 2017 00:00:00 +0000 OJS 3.1.1.2 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Editorial http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2494 <p>Com este editorial damos início à “Pratica&nbsp;e-Learning<strong> - Revista Multimédia de Investigação em Inovação Pedagógica e Praticas de e/b-Learning” </strong>do&nbsp;Consórcio&nbsp;lusófono&nbsp;e&nbsp;Ibero-americano&nbsp;de Instituições de Ensino Superior.</p> <p>A publicação deste número de lançamento, é constituída por quatro artigos de autores convidados pertencentes ao Politécnico do Porto.</p> <p>O primeiro artigo deste número com o título “Linguagem Audiovisual – como Planificar um Vídeo para o Ensino a Distância e para <em>Flipped Classroom</em>”, da autoria de Armando Silva, Paula Peres, Lino Oliveira e Ângelo Jesus, centra-se na problemática da produção e realização de conteúdos em formato vídeo, para contextos de ensino a distância e de metodologias de&nbsp;<em>Flipped Classroom.</em> O segundo artigo com o título “Conceção, Implementação e Avaliação de Práticas Web 2.0 na Atividade Docente”, da autoria de Lino Oliveira, Ângelo Jesus, Armando Silva e Paula Peres, relata a reflexão sobre algumas das atuais práticas no que concerne à utilização das tecnologias web 2.0 no ensino superior, procurando um enquadramento pedagógico. Segue-se o artigo intitulado “Ainda sobre o blended learning no Ensino Superior Ampliação do tempo e diluição do espaço: Best of Both Worlds?”, da autoria de Joana Castro Fernandes, que se baseia num conjunto de argumentos diacrónicos conducentes a uma proposta fundamentada da definição do conceito <em>blended learnin</em><em>. A problemática do “Selo de Qualidade de Cursos” é tratada no artigo da autoria de </em>Paula Peres, Ângelo Jesus, Armando Silva e Lino Oliveira, que se centra na criação de um “selo de qualidade” para certificar a formação em <em>blended-learning </em>oferecida com o suporte da Unidade de e‑Learning e Inovação pedagógica do Politécnico do Porto.</p> <p style="text-align: right;">&nbsp;</p> Armando Silva ##submission.copyrightStatement## http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2494 Sáb, 24 Mar 2018 00:00:00 +0000 Linguagem Audiovisual – como Planificar um Vídeo para o Ensino a Distância e para Flipped Classroom http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2473 <p align="justify">O vídeo apresenta-se como um recurso valioso e muito utilizado nos contextos de ensino a distância e nas metodologias de&nbsp;<em>flipped classroom</em>. A produção e a realização de conteúdos em formato vídeo, para estes contextos, regem-se por regras específicas da linguagem audiovisual e requerem a utilização de um guião de planificação de gravação e de edição de vídeo com um questionário embutido. O guião proposto neste trabalho considera para cada plano de vídeo: a escala de planos, as posições da câmara, os movimentos de câmara, os movimentos de personagens, a ação, as falas, a música, e as questões para autoavaliação. O guião proposto, aglutina todos os itens necessários à produção e à realização de um vídeo numa estrutura holística que assegurará ao produtor/realizador do vídeo o controlo eficaz da narrativa e ainda, através dos questionários embutidos, permitirá ao aluno realizar a autoavaliação do seu progresso e também do seu sucesso na aprendizagem proposta. Deste modo, o modelo de guião proposto disponibiliza a informação necessária e precisa sobre os diversos itens que permitem a produção e a realização de vídeos orientados para os ambientes de ensino a distância e para as metodologias&nbsp;<em>flipped classroom</em>.</p> <p align="justify">&nbsp;<a title="Linguagem Audiovisual – como Planificar um Vídeo para o Ensino a Distância e para Flipped Classroom" href="http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/Article1">Artigo Completo</a></p> Armando Silva, Paula Peres, Lino Oliveira, Ângelo Jesus ##submission.copyrightStatement## http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2473 Qua, 07 Fev 2018 00:00:00 +0000 Conceção, Implementação e Avaliação de Práticas Web 2.0 na Atividade Docente http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2472 <p align="justify">Atualmente, nas instituições de ensino superior, assiste-se a um crescente recurso às tecnologias web como suporte ao ensino presencial. Tendo como base o alcance dos objetivos definidos, os professores cada vez mais recorrem à definição de estratégias de aprendizagem considerando as vantagens associadas à interação digital e à personalização dos percursos de aprendizagem. Com o trabalho descrito neste artigo pretende-se a explicitação da reflexão sobre algumas das atuais práticas no que concerne à utilização das tecnologias web 2.0 no ensino superior procurando um enquadramento pedagógico. Contrariando a generalidade dos trabalhos científicos publicados nesta área de conhecimento, esta investigação parte do particular gerado por atuais práticas educativas, que decorrem de contextos específicos, para a geral no sentido do seu enquadramento teórico, numa abordagem&nbsp;<em>bottom-up</em>.<br>Concretamente, com este trabalho procurou-se avaliar de que forma as atuais praticas desenvolvidas no âmbito de uma unidade curricular de um curso de licenciatura responde a este contexto, quais os constrangimentos e resultados em termos de avaliação do conhecimento adquirido. Como resultado verificou-se que a exploração pedagógica das atuais tecnologias web 2.0 poderá potenciar a aprendizagem formal e a preparação para uma aprendizagem ao longo da vida. Verificou-se ainda a necessidade do mapeamento das ferramentas web utilizadas com objetivos educacionais de fundamentação e controlo da dispersão, inerente aos ambientes sociais.</p> <p>&nbsp;<a title="Conceção, Implementação e Avaliação de Práticas Web 2.0 na Atividade Docente" href="http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/Article">Artigo completo</a></p> Lino Oliveira, Ângelo Jesus, Armando Silva, Paula Peres ##submission.copyrightStatement## http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2472 Qui, 28 Dez 2017 00:00:00 +0000 Ainda sobre o blended learning no Ensino Superior Ampliação do tempo e diluição do espaço: Best of Both Worlds? http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2474 <p>Reconhecendo a impermanência e a transitoriedade dos valores societais contemporâneos no que à educação diz respeito e a igual impermanência e transitoriedade do conhecimento associado às tecnologias, perguntar-se-á: valerá a pena o exercício de compreender o que está por detrás de&nbsp;<em>buzzwords&nbsp;</em>que representam conceitos difusos do cenário educativo do Ensino Superior?&nbsp;&nbsp;<br>Num estudo anterior (Fernandes, 2015), defendemos que a análise de conceitos e a construção de definições que estabilizem o seu significado são tarefas de base linguística e terminológica fundamentais à consolidação de qualquer domínio do conhecimento e, como tal, um exercício&nbsp;<em>que vale a pena</em>. Em particular, o trabalho em torno da compreensão e delimitação &nbsp;conceptual através da representação linguística justifica-se quando um domínio não se encontra ainda claramente&nbsp;<em>cartografado.</em><br>Nas duas últimas décadas, o conceito de&nbsp;<em>blended learning</em>&nbsp;assumiu um forte protagonismo no panorama do Ensino Superior Português, directamente decorrente do processo transformativo que levou as instituições a definirem que cenários educativos passariam a oferecer à sociedade em rede. A nível internacional, os cenários e os estádios de evolução diacrónica deste processo tomaram ritmos e contornos próprios, sendo a realidade norte-america claramente distinta da europeia e tendo qualquer das duas um carácter multiforme (Norberg &amp; Jahke, 2014, p. 251). Não obstante, foi possível identificar um denominador comum. O movimento em direcção à incorporação tecnológica no Ensino Superior foi perpassado de fortes motivações político-económicas impulsionadas pela necessidade de extensão do capitalismo a uma cultura digital sustentada no conhecimento.<br>Apesar de&nbsp;<em>qualquer inovação ameaça</em><em>[</em><em>r</em><em>]</em><em>&nbsp;o equilíbrio da organização existente</em>&nbsp;(McLuhan, 1963, p. 281), o Ensino Superior Português respondeu positivamente à necessidade de mudar, apresentando iniciativas reformadoras que propuseram novos esquemas de funcionamento (Monteiro &amp; Moreira, 2013, p. 33). Do ponto de vista institucional, o desenho pedagógico da oferta educativa e formativa passou a ser multidimensional e flexível, albergando formalmente uma diversidade de formatos. Foi neste espaço que progressivamente se afirmou o conceito de&nbsp;<em>blended learning.</em><br>Mas, afinal, de que falamos quando designamos um modelo de ensino e aprendizagem<em>&nbsp;blended learning?&nbsp;</em>E que atributos pretendemos salientar quando optamos por essa designação? Nesta reflexão, consideraremos um conjunto de &nbsp;&nbsp;argumentos diacrónicos que permitem uma compreensão aturada do conceito e que fundamentaram nossa proposta de definição.<br>&nbsp;<a title="Ainda sobre o blended learning no Ensino Superior Ampliação do tempo e diluição do espaço: Best of Both Worlds?" href="http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/Article2">Artigo Completo</a></p> Joana Castro Fernandes ##submission.copyrightStatement## http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2474 Qua, 07 Fev 2018 00:00:00 +0000 Selo Qualidade de Cursos http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2493 <p>Medir a qualidade de um ambiente de aprendizagem é fundamental para obter algumas garantias de sucesso. Numa altura em que as experiências em ambientes de Formação em <em>blended-learning</em> são reduzidas, e que, as que existem apresentam características muito diversas, entendemos ser importante a criação de um “selo de qualidade” para, de alguma forma, certificar a formação em <em>blended-learning (b-Learning)</em> oferecida com o suporte da Unidade de e‑Learning e Inovação pedagógica do Politécnico do Porto (EIPP).</p> <p>Este trabalho resulta de vários anos de investigação e experiência dos elementos da Unidade, que conta já com mais de 15 anos, quer como formandos, quer como formadores nestes contextos de ensino e aprendizagem. Este trabalho resultou também de um percurso de investigação no qual são considerados e analisados vários modelos internacionais de avaliação da qualidade dos ambientes de aprendizagem, incluindo a norma Portuguesa NP4545 “Requisitos para avaliação da qualidade de unidades curriculares e cursos com forte componente em <em>e-learning</em>”. A informação, os conceitos e os procedimentos aqui apresentados oferecem apoio aos professores e formadores que pretendam validar os requisitos mínimos para garantir a qualidade dos cursos oferecidos em regime de <em>blended-learning</em>.</p> <p><a href="http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/Article3">Artigo Completo</a></p> Paula Peres, Ângelo Jesus, Armando Silva, Lino Oliveira ##submission.copyrightStatement## http://parc.ipp.pt/index.php/elearning/article/view/2493 Qui, 15 Mar 2018 00:00:00 +0000