Neoplasias malignas síncronas: um diagnóstico citológico pouco frequente

  • V Martins Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, EPE
  • R Roque Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, EPE e nstituto Politécnico de Lisboa, Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa
  • F Cunha Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, EPE
  • J Dionísio Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, EPE
  • André S Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, EPE

Abstract

ocorrência simultânea de duas neoplasias malignas primárias é uma condição pouco frequente, predisposta por fatores ambientais e genéticos. Descrevemos o caso clínico de uma mulher de 50 anos, fumadora, com diagnóstico de linfoma linfocítico/ leucemia linfocítica crónica (LLC). Após a deteção de um nódulo no lobo superior do pulmão direito e de múltiplas adenopatias mediastínicas, foi efetuada broncofibroscopia com citologia aspirativa transbrônquica por agulha fina guiada por ecografia endobrônquica dirigida aos gânglios linfáticos mediastínicos. Na amostra citológica identificaram-se células epiteliais malignas, que expressavam a proteína Fator de Transcrição da Tiroide 1 (TTF1) por imunocitoquímica, e uma população monomórfica de linfócitos cuja análise por citometria de fluxo caracterizou como linfoma linfocítico. Concluímos a existência de duas neoplasias no mesmo grupo adenopático: linfoma linfocítico e metástase de adenocarcinoma do pulmão. Este caso confirma os dados da literatura, que recomendam que o follow-up dos doentes com LLC deve contemplar a procura de tumores sólidos, dado estes doentes terem maior probabilidade de os desenvolver, nomeadamente tumores primários do pulmão, sendo o adenocarcinoma o mais frequente.

Published
2019-04:-12